Quem é ?

   Confesso que também não sei. Só que ele me tira o fôlego toda vez que a gente se vê. Não é do esporte, da música ou da religião. Muito menos da polícia! Bem longe de tudo isso…

   Aquele porte de quem sabe de tudo ou pensa que sabe que faz ou deixa de fazer, é que me deixa assim. Não sei pra onde correr. Ao mesmo tempo foge. Some dos meus olhos e volta sem que eu espere. Me mata de saudades. Me acho idiota. Depois me sinto nova.

   Aqueles olhos castanhos escuros, de porte físico bem atraente. Um sorriso meio largo que me deixa mais confusa. Moreno de 1,75, não me venha dizer que a gente não é nada disso. A gente é muito mais que isso.

   Quem é você além de tudo isso? (Estou procurando saber.) Não é só isso, sei que tem algo aí. Você sabe que eu sei. Me deixa entrar, tirar as suas roupas de diplomas, línguas faladas, emprego bem sucedido. Quero aquele pequeno espaço que fica do lado esquerdo e que bate sem parar. E bate mais forte ainda quando a gente se vê, eu sei!

    Então é domingo…

Anúncios

Pé Na Estrada

2016-05-27 17.24.51-1

  Decidi ir com a roupa do corpo mesmo. Não fiz nenhuma mala. Joguei o celular no banco no silencioso, não queria escutar ele tocando. Eu precisava de um tempo  pra mim. Colocar as ideias em ordem e a única coisa que me faz relaxar é pegar o carro e seguir, sem destino.

  O som do vento me satisfazia. É pura calmaria. Eu gritava, aumentava o som naquela musica que me fazia vibrar. Eu estava realmente me sentindo viva, como a muito tempo eu não sabia que isso existia. Era só eu, Deus e as paisagens!

   A cada curva que eu fazia naquela estrada que eu conheço de olhos fechados, me fazia lembrar cada dia que fiz mil em mil pedaço para poder estar ao seu lado. Então eu gritava, gritava e gritava. Eu estava com muita raiva, e não era de você e sim de mim mesma. Deixei alguém me dividir em mil pedaços.

  No caminho vi uma pequena estrada que me dava até uma cachoeira, não pensei duas vezes e lá entrei. Eu sabia que era perigoso, só que naquele momento eu já nem sabia mais o que era perigoso. Fui seguindo e vi aquela maravilha de água branca caindo entre as pedras e o som da água. Desliguei o carro e observei. Não tinha ninguém ! Aquela raiva toda que eu estava sentindo, foi sumindo. E então eu já nem sabia qual sentimento me dominava.

   Deitada no capo do carro as 17:00 da tarde, fiz uma breve analise da minha vida e percebi que muita coisa que aconteceu ou acontecia comigo era porque eu permitia. E ultimamente eu só permitia coisas ruins. Era como um vídeo cassete, que a gente rebobina a fita… Então fui e fui. Mesmo sabendo que não adianta se lamentar pelo leite derramado, tomei uma decisão… Ali, naquele lugar maravilhoso, prometi que não deixaria mais que esses sentimentos ruins me consumissem e muito menos entregar a minha vida de bandeja para alguém, não até o ponto que eu sinto que é reciproco.

  Decidi molhar meus pés e fui descendo, as pedras escorregadias me fazia lembrar dos momentos que precisei me equilibrar para não desmoronar. E ali, eu vi o quanto eu era forte para enfrentar um desafio gigantesco sem sair com um arranhão. O primeiro toque nos meus pés me congelou até a alma. Aquela água era realmente muito gelada. fui descendo e quando me vi em um nível favorável… Me joguei de cabeça ! O que adianta molhar os pés e não a alma? – NADA.

  Acho que passei mais ou menos umas 1 horas naquela água que me fez relaxar, pensar e entender que a vida é assim… É você que precisa trilhar seu caminho e não deixar a sua vida tão entregue nas mãos de alguém. A sua vida só pode estar nas suas mãos!

  Molhada dos pés a cabeça e com a melhor sensação no coração eu precisava ir embora. Subi pela estradinha de terra ate chegar no carro. Lembrei que eu não levei nenhuma roupa e a única solução era ir daquele jeito mesmo. E fui…

  Voltando para o meu destino local ao som de Planta e raiz (Vamos Fugir), percebi que o  guarda na beira da estrada fazia sinal para eu parar. Abaixei o som e ele já estava colado no meu vidro e pedindo meus documentos. Procura daqui e dali, lembrei que fica no quebra-sol do carro. Entreguei sem falar uma palavra. Ele verificou umas, duas, três vezes… Eu não entendi nada, apenas esperei. E lá vem ele me perguntando o que eu estava fazendo aquela hora na estrada. Eu quase virei e fiz a mesma pergunta, só que lembrei que é desacato a autoridade !. Fiquei pensando, pensando e respondi:

  – Seu guarda, se eu soubesse eu até te responderia. E dei um sorrisinho de canto.

  Acho que ele entendeu o recado. Me librou e só pediu que eu não ficasse até tarde pelas estradas. Respondi com um sinal de ok e segui o caminho… Já era quase 21:00 e nem vi aquela quatidade de recados no meu celular, mãe, pai, irmão, amigos enfim… Era tanta gente que nem queria saber por onde começar.

  Já estava em São Paulo, na rua de casa. Entrei sem fazer o mínimo barulho, corri direto para o chuveiro, eu estava morrendo de frio. Agora, com a água mais ou menos quente me deixei levar por aquele som da água da cachoeira na cabeça, eu estava tranquila e pronta para atender o telefone e dizer tudo que fiz. Ou quase tudo…

  A partir daquele momento, eu NUNCA mais fui a mesma!

 

São só lembranças

     Era 15:00 e não tinha nada de útil para fazer (diferente dos outros dias), eu estava de folga então resolvi ficar em casa com a mamãe. Liguei a tv para procurar um filme para assistirmos…

    Procura daqui e lá, resolvi deixar na HBO que estava passando “Menina dos olhos”, até ai muito bacana, um filme interessante. Comecei a ler aquele pedacinho que explica sobre o que é o filme e acabo descobrindo que é com uns dos meus atores favoritos. “Bem Affleck”, logo penso : QUE MARAVILHOSO ! E fico muito mais interessada… Eu não deveria estar tão interessada no filme e sim no ator, coisa que eu também não deveria estar interessada, pois me lembrava um certo alguém. De fio a pavio !

   Começo a ver o filme e ao mesmo tempo o personagem me confunde com um certo alguém… Penso em desistir de ver o filme, só que meu coração pediu para continuar e continuei. O filme vai rolando e em cada trecho não vejo apenas a aparência física do ator com as semelhanças idênticas com a do certo alguém. Apesar de ser um personagem, tinha muito a ver com ele.

     Barba bem feita, alto, cabelos escuros, nariz afinado, ombros largos, boca grande, olhos… a os olhos, como que me olhava todos os dias abraçado e eu dizia : Eu vou soltar, me segura.” E como me segurava. Eu posso descrever nos mínimos detalhes cada parte do seu corpo.

      O filme todo imaginei nós dois. Até o cheiro do seu perfume estava aqui.

     Certeza absoluta que quando minha mãe me olhava de rabo de olho, sabia perfeitamente em quem eu estava pensando, porque ela também o achava muito parecido. Porém, não fez nenhum comentário. Sabe que não gosto.

      Confesso que meu coração se partiu em dois, três ou quatro…Sei lá. Não interessa. Foi bom reviver bons momentos que vivemos. Só que me recuso assistir novamente a esse filme. Talvez essa história dentro de mim ainda não esteja bem resolvida o quanto eu pensava que estava… Eu vou seguindo.

   O filme era maravilhoso, de verdade. Acho que nunca assisti um filme com tanta vontade até o final. Se me perguntarem, sei cada detalhe.

    “São só lembranças. Dentro de um velho quarto tentando me convencer, que o seu rosto no retrato não vai mais envelhecer…”

 

 

 

MEU BEM

   Quero alguém. Mais que esse alguém seja feito como eu, carne, osso e um coração grande, e não essas pessoas que vemos por aí, frias, que mal te olham ou que nem sabem interpretar sorrisos. Sonho sim, com essa pessoa que um dia irá aparecer ou já até apareceu e eu não notei.

   Que no meio da noite quando a saudades apertar, eu possa ligar morrendo de saudades e escutar:  “Eu estou aqui, meu bem !”. Esse dia será o melhor da minha vida, eu acredito.

   Não consigo me entender ou entender as pessoas. Tenho a impressão que estou vivendo no tempo errado. Quando vejo aqueles filmes que  o homem faz de tudo para conquistar a mulher fico extremamente apaixonada… só um tempo depois me lembro que na vida real não é bem assim, pelo menos não é assim que vejo por aí…

   O que será que falta nas pessoas?. Será que elas perderam a paixão na beleza interior?… pois beleza exterior o mundo já tá cheio.

   Não quero rótulos,  quero conteúdo que por mais que a gente sempre se apaixone pelo rótulo, ainda sim prefiro o conteúdo.

   Quem é que não sente falta de ver um casal apaixonado na rua de mãos dadas, entrelaçadas feito um para o outro… quem não sente?.

   Quero um alguém para chamar de meu bem todos os dias da minha vida e não quero alguém que eu nem saiba se realmente a gente se gosta. Que no dia seguinte eu nem lembre seu nome porquê não existia amor.

   Meu bem, seja lá quem for te peço que seja assim ou pelo menos se esforce para ser, pois estarei muito feliz. Mãos dadas, sorrisos, cavalheirismo, conversas sinceras. Que quem olhe tenha inveja da nossa amizade acima de tudo. Que sejamos o par perfeito.

   Meu bem…

Bom Dia

 



  5:30 da manhã e o dia começa. Você acorda, levante, pega um café e se senta no sofá com a tv ligada e vê as notícias do mundo em segundos. Então, você começa a se imaginar naquelas cenas, seja ela uma notícia boa ou ruim…Por segundos de instantes você se perde em meio a seus pensamentos que te remete a lembranças ou momentos que queira viver. O passado vem, as lembranças latente em sua memória, por segundos depois você se dá conta que já se passou 1 hora que você ligou a tv.

  Xícara quase vazia e o café já esfriou. Se levanta lentamente do seu sofá e corre pelas escadas até chegar em seu quarto para poder se trocar rapidamente e logo pensa : Com que roupa eu vou?… Então pego aquele jeans básico porém moderno e rasgado que quem olha pergunta se você saiu de uma guerra. Escolhe aquela camisa branca que marca bem o seu corpo e passa o seu melhor batom calçando seu tênis mais velho e sujo só que muito confortável. Entro no carro e sigo para qualquer lugar confortável que me faça me sentir confortável. Sei lá, sem destino.

  Em meio a tantas pessoas, vejo como somos diferentes uns dos outros. Tento me encaixar. Viro daqui, viro de lá e não me encontro nas roupas ou sorrisos por ai. Percebo sorrisos em meio a tristeza e tristezas pedindo momentos de sorriso e o único pensamento é: QUE LOUCURA SÃO OS SERES HUMANOS.

  Sigo caminhando e continuo pensando como são as pessoas por dentro, sem etiquetas de marca que as representam por fora e me deparo novamente com outros pessoas, porém sem nenhuma etiqueta por dentro e por fora. Sim, pessoas sem ambição nos olhos ou no falar. Me cativa e ao mesmo tempo que empobrece de sentimentos. Vejo o quão fútil somos. Disputamos tanto por nada. Brigamos por tudo.

  Então, momentos assim me faz repensar em todos os dias que deixei de levantar cedo para fazer qualquer coisa útil e não agradeci por tudo. Um simples obrigado ao levantar te faz bem e ver o quanto você é abençoado e não sabe…Não imagine que seu dia será como os outros, pois não será. Você nunca sabe o que vai encontrar na caminhada para qualquer lugar. Seja grato por tudo que és, por tudo que você realmente batalha para ter. Não seja mais um “ser comum” no meio de tantos outros. Seja você de corpo, alma e cara limpa. Assuma suas dificuldades, se coloque em seu meio social e pare para refletir se aquilo que tanto quer e ou tem, realmente faz de você uma pessoa melhor ou pior.